Perguntas e Respostas

 

 

As doenças que acometem a coluna vertebral podem afetar a medula espinhal, as raízes nervosas e os nervos, e muitos dos seus sintomas são explicados por esse fato. O contrário também é possível, com as doenças da medula espinhal e das raízes nervosas gerando deformidades na coluna. Em ambas situações faz-se necessária avaliação especializada.

 

 

O que é hérnia discal?

 

O disco intervertebral é a estrutura que separa as vértebras, amortece os impactos e permite os movimentos da coluna. Assim como qualquer material, sofre com os esforços, traumatismos e movimentos repetitivos, podendo romper por fadiga. A ruptura do conteúdo discal é chamada de hérnia discal.

O que é ciática?

 

Chamamos de dor ciática a dor irradiada das nádegas para a coxa e perna. Normalmente é provocada por inflamação ou compressão do nervo ciático e de raízes nervosas na saída da coluna. A principal causa de ciatalgia ou dor ciática é a compressaão por hérnia discal.

 

 

Podemos evitar a hérnia discal?

 

Sem dúvida alguma, o melhor cuidado é sempre o preventivo. Devemos nos manter em boa forma física, peso ideal e evitarmos traumatismos com esforços exagerados em posições erradas. A manutenção da boa postura e a conseqüente correção dos vícios posturais é fundamental.

 

 

Qual o melhor tratamento para a hérnia discal?

 

Tanto o método de tratamento conservador (não cirúrgico) quanto o cirúrgico, podem ser empregados nesta patologia. O tratamento conservador com repouso, medicamentos antiinflamatórios, analgésicos, fisioterapia, acupuntura e bloqueios são, normalmente, utilizados no começo dos sintomas com grande percentual de sucesso. Se o paciente persiste com dor por 4 a 6 semanas, apesar das medidas conservadoras referidas anteriormente ou se apresenta lesão nervosa, avaliada por meio de exame neurológico, o tratamento deve ser interrompido e o paciente encaminhado para cirurgia.

 

 

Pode haver recidiva dos sintomas após a cirurgia?

 

A ruptura do disco é um problema muito comum e a grande maioria dos pacientes que necessita do tratamento cirúrgico fica satisfeita com os resultados. No entanto, é fundamental no período pós-operatório, a reabilitação para evitar-se recorrência recidiva dos sintomas e doença no mesmo lugar ou em níveis adjacentes ao já operado. Portanto, os resultados a médio e longo prazo, dependem muito do estilo de vida dos pacientes e cuidados preventivos já mencionados e somente desta maneira podemos ter a garantia de melhores resultados.

 

 

A dor ciática pode persistir após a cirurgia?

 

Normalmente, no pós-operatório imediato, os pacientes referem um alívio importante da dor. O alívio da compressão permite um funcionamento normal e a recuperação do nervo e raiz nervosa. É freqüente a dor residual de pequena intensidade no pós-operatório que melhora progressivamente. Esta recuperação é total ou parcial, dependendo do grau da lesão nervosa, provocada pela compressão, tempo de evolução dos sintomas, tabagismo (fumo), entre outros fatores. O desenvolvimento de cicatriz e fibrose envolvendo o nervo (raiz) é uma das causas da persistência de sintomas após a cirurgia.

 

 

A cirurgia de hérnia discal oferece riscos?

 

O procedimento cirúrgico para tratamento da hérnia discal chama-se discectomia. Trata-se de cirurgia simples com pouca complexidade e muito segura graças a tecnologia disponível e ao desenvolvimento constante de novas técnicas e drogas anestésicas. A criteriosa avaliação clínica, laboratorial e por imagens, no pré-operatório, é fundamental para atenuar ainda mais o baixo risco do procedimento.

 

 

É necessária a fixação cirúrgica das vértebras com parafusos e hastes?

 

A fusão espinhal é um procedimento cirúrgico complexo e, algumas vezes, é necessário no tratamento de algumas doenças e transtornos da coluna vertebral. As situações mais comuns de emprego desta técnica são nos casos de fraturas da coluna, espondilolistese e situações de instabilidade provocada por descompressões amplas ou causas degenerativas.

 

 

Quais os fatores que podem prejudicar ou aumentar os riscos na cirurgia da coluna?

 

Graças aos avanços da medicina e da biotecnologia os procedimentos cirúrgicos são, atualmente, realizados com baixos índices de complicações. Os principais fatores clínicos de risco adicional para complicações são pressão alta, enfisema, infarto prévio, tabagismo (fumo), osteoporose, tratamentos com cortisona por longo período, diabetes, obesidade e infecções. A correção, o preparo e o tratamento adequado destas alterações permitem amenizar os riscos potenciais de complicações trans e pós-operatórias.

 

 

Devo me operar com o ortopedista ou com o neurocirurgião?

 

Devido a grande complexidade do diagnóstico e tratamento dos transtornos da coluna vertebral bem como a dificuldade dos profissionais manterem-se totalmente atualizados, este ramo da medicina evoluiu para uma subespecialidade. O especialista em cirurgia da coluna vertebral é um profissional das áreas de ortopedia, traumatologia e neurocirurgia que se dedica, exclusivamente, a este ramo da medicina. É muito comum a atuação da equipe multidisciplinar nos procedimentos desse porte. O importante na escolha deste profissional é a confiança, a boa relação médico-paciente e a sua capacitação para execução do tratamento proposto.